Três Números Divinos e a Sorte no Jogo e no Amor

Cada número tem sua importância na Numerologia, mas alguns deles se destacam por sua relevância. São aqueles tidos como divinos, sempre presentes nas proporções mais comuns na Arquitetura, nos templos ou nas Artes.

Seja no amor ou no jogo, a associação a alguns desses números proporciona uma conexão com algo maior do que nosso ser individual.

Número 7

O número 7 é o número da Criação e da origem da vida. Representa a comunhão do homem com o divino, por ser a soma de 3 (número relacionado a Deus) com 4 (relacionado ao que é terreno). Por representar a ligação do divino com os homens, é muitas vezes relacionado à figura da Virgem (católica ou não) e ao arquétipo da Grande Mãe, que origina a vida. Por extensão, muitos o vêem como o número da perfeição.

São 7 os passos do Buda, nas crenças orientais. Em vários países ocidentais e em algumas culturas ocidentais antigas, é comum a imagem do dragão de sete cabeças. No hinduísmo, são 7 as joias dos brâmanes. Na Alquimia, são 7 os metais usados nos trabalhos.

Número 8

O número 8 tem simbologias diversas entre culturas, mas todas são igualmente relevantes.

Para os chineses, é o número da completude, de todas as possibilidades de manifestação. É visto como o número da prosperidade.

No Cristianismo e em outras culturas, o oito representa a ressurreição, a fonte de oito lados.

Número 12

O número 12 está ligado às manifestações divinas em diversas culturas. No Judaísmo, são 12 as tribos de Israel, 12 apóstolos da Igreja Católica. São 12 membros no conselho do Dalai Lama. No Islamismo, são 12 os descendentes do profeta Ali. No folclore chinês, são 12 os ramos terrestres dos animais, vinculados aos signos do zodíaco dessa cultura. Na cultura popular europeia, eram 12 os cavaleiros da Távola Redonda.

Como todos esses exemplos revelam, o doze está atrelado à completude, ao Universo compreendido por nossas sociedades.